Marcas de amor

Várias vezes peguei o celular e visitei seu perfil, vi e revi suas fotos e histórias, incontáveis vezes li nossas conversas, em especial os trechos em que você falava de nós e dos sentimentos e sensações que eu te causava. Nos relatos tímidos e mesmo que de maneira vaga soassem suas palavras preenchem o vazio duma espera de dois anos desde o primeiro beijo.
A ansiedade para um novo encontro era imensa, organizava tudo ao longo da semana, e quando o dia chegou contava as horas. E quando o momento se aproximava tentava parecer o mais calma possível, mas era difícil, pois a influência exercida sobre ela era tamanha e ele nem fazia noção disso, mas não por ela nunca ter dito, mas por não vê motivos. Bobo, não precisava de explicação, ele por inteiro era o motivo, no entanto tinha uns detalhes que ganhavam destaque, o olhar era o principal, ela se perdia e achava-se na intensidade de seus olhos, mas o que a levava à perdição era aquele sorriso rasgado, cheio de malícia e provocações.
Os primeiros minutos sempre eram carregados de tensão e nervosismo até que surgisse um assunto que os deixassem à vontade e então as portas se abriam para a liberdade de palavras mais soltas, de gestos e toques provocantes, isso já era mais que suficiente para ela baixar a guarda e começar a se desmontar e ele sabia bem disso, era quase um ritual, quem sabe um jogo de sedução conduzido de modo sutil, se bem que era coisa sem necessidade, ela lhe pertencia, entregava-se sem pudores, nem se dava ao trabalho de pensar nas consequências.Ele conduzia as ações e ela que sempre gostou de ter tudo sob controle deixava-se ser comandada, logo o beijo acontecia, magicamente, delicadamente fazendo-a se encher de encanto, tudo intensificado e a respiração denunciava o ápice do desejo e acentuava as suspeitas dela, não era unilateral, não era só a química dos corpos em ebulição, tinha mais escondido entre os poros e o que transbordava, o silêncio era só interrompidos por leves sussurros e pela respiração forte de ambos, o mundo lá fora não importava, as horas nem eram notadas pois ele tinha reservado aquele momento pra eles, a noite estava apenas começando e a madrugada inteira pela frente prometia ser quente, longa e ativa.
A intimidade deles é natural, os beijos, as carícias e … tudo “termina” numa delicada troca de carinhos e então ele descansa, dorme sob seus cuidados e ela apaixonada o observa enquanto dorme.

Texto enviado pela seguidora: P. Evaristo da Luz R.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s